Maria Beatriz Medina (Venezuela),  María Teresa Andruetto (Argentina) e Luiz Rufatto (Brasil) falam do papel de destaque do mediador no processo de promoção do livro e da leitura.

Medina, do Banco do Livro da Venezuela, ressalta que em zonas vulneráveis muitas vezes criar pontes para a leitura não é o suficiente, é preciso que o mediador se estenda como ponte. Complementando a metáfora, Andruetto (Prêmio Hans Christian Andersen 2012) afirma que os mediadores de leitura, além de fazer a ponte entre o leitor e a literatura, são o coração da literatura de um país. Indica assim a responsabilidade do mediador, pois é ele quem pode fazer a exigência sobre o que está escrito balizando o mercado editorial e construindo a literatura de se lugar. Rufatto, escrito brasileiro consagrado, afirma que em um país como o nosso, o papel do mediador é revolucionário e pode ajudar a transformá-lo.