Autor e ilustrador: Ferreira Gullar
Páginas: 88
Formato: 25 X 21
Editora: Edições de Janeiro

 

O poeta Ferreira Gullar parte de uma ideia simples, quase escolar: que figuras ou imagens surgem de restos de papéis que iriam parar no lixo? Ao brincar com as “possibilidades do acaso”, como diz o autor, ele cria e transforma sua matéria poética. Até mais do que nas ilustrações as surpresas surgem nas frases curtas, que mesclam poesia, ditos populares e tiradas bem-humoradas, como que desarranjadas, despretensiosas. Muitas vezes descontroem as figuras e provocam o leitor a duvidar do que vê. O projeto gráfico sabe tirar bom proveito do excesso de cores do lixo e é inteligente ao conduzir o olhar do leitor no percurso palavra-imagem-palavra, nem sempre na mesma ordem. Em diversos momentos, as páginas permitem que o leitor mergulhe nas figuras construídas para, depois, desconstruí-las nos textos.