Autor: Patrick Modiano
Ilustrador: Sempé
Editora: CosacNaify
96 páginas
Formato: 14 X 21
Editora: CosacNaify

 

Filomena vive em Paris, com o pai, Georges. A mãe, uma bailarina norte-americana, voltou para seu país e lá espera pelo reencontro com o marido e a filha. Entre a escola, o estranho trabalho do pai e as aulas de dança às quintas-feiras (que talvez revelem o desejo de estar perto da mãe), Filomena e Georges tiram e colocam os óculos, instintivamente e com muita cumplicidade, para viver e ver o mundo. Com os óculos, os dois, e especialmente a menina, são convocados à realidade, ao pragmatismo do cotidiano, à vida como ela é. Sem o direcionamento e o foco das lentes, Filomena e seu pai vislumbram a vida como ela poderia ser, além de se desligarem do enfadonho Sr. Casterade, com seus conselhos, cartas e poemas intermináveis.

O sobrenome Firmeza, “Certitude” no original, presente da guerra e de um funcionário da prefeitura que achava que um nome com muitas consoantes “dá calor”, tem muito a dizer sobre os dois. Sem a presença da mãe, que de maneira incomum vai embora e deixa a filha pequena sob os cuidados do pai, Filomena e Georges mantêm uma relação de cumplicidade e apoio recíproco, porto seguro e afetivo um do outro, mas também possibilidade de deriva.

As ilustrações de Sempé, já conhecido dos leitores por causa de O Pequeno Nicolau, são um convite ao lirismo, ao humor e à delicadeza, marcas do ilustrador. O projeto gráfico, simples e bonito, faz da edição brasileira de Filomena Firmeza um presente para todos os leitores.