Se há um momento em que a leitura se encontra em debate é o atual. As rápidas mudanças que as práticas leitoras estão vivendo nestes tempos, com uma multiplicidade de formatos de leitura (internet, redes sociais, e-books, chats, blogs etc), e a variedade de textos que as crianças têm a seu redor obrigam a escola – e aqueles que se dedicam à promoção da leitura – a fazer uma reflexão sobre as práticas pedagógicas.

Os leitores do futuro necessitarão, cada vez mais, de um treinamento específico para leitura de textos informativos. O JISC National ebooks Observatory Proyect, em um recente estudo (pdf em inglês), expõe que a leitura praticada em livros eletrônicos é extrativa, fragmentária e informativa. Normalmente não se leem livros extensos, e 65% dos acadêmicos e dos estudantes afirmam utilizar o livro eletrônico como apoio informativo ao trabalho e ao estudo. E, contudo, a leitura narrativa continua predominando nas recomendações de livros. Nossas crianças têm que ampliar radicalmente sua forma de ler e temos que ajudá-las a melhorar sua experiência de aprendizagem.

Como funcionam as coisas/princípios da ciência

 Diante de uma leitura passiva, que busca a evasão e que permite a identificação de suas personagens, temos que formar um leitor ativo, capaz de enfrentar um texto sobre conceitos abstratos, que saibam procurar e encontrar o que necessita, que tenha curiosidade e que seja capaz de relacionar ideias, de discutir seus pontos de vista e de escutar opiniões diferentes.

Entre as finalidades da escola está a de formar cidadãos independentes, e a ajuda para compreender textos informativos é um caminho direto. Esse desafio envolve não apenas os professores da área de língua e literatura como todos os demais, que também precisam de alunos capazes de ler e entender com fluência os textos de suas disciplinas. Para tanto, é importante mudar algumas práticas escolares e incorporar de maneira natural livros que contam como é o mundo, livros que convidam a uma reflexão, e livros que informam sobre tudo aquilo que as crianças veem de maneira fugaz na vida real.

Como funcionam as coisas/interruptorBasta começar com uma seleção mais ampla de leituras e dedicar um pouco de tempo para que a classe leia. Essa simples prática modificará de forma substancial a dinâmica pedagógica na sala de aula. Outra mudança é a própria atitude do professor, que passará de figura que só fala e coloca questões a mediador interessado em textos com diferentes níveis de leitura, que lê previamente os textos para detectar as dificuldades de vocabulário, que evita a resposta única, fomenta o diálogo entre os alunos, incentiva-os a participar e os ajuda – com explorações textuais compartilhadas – a compreender o que é um texto de informação e como usar todos os elementos que aparecem em um livro (recursos visuais, índices, glossários, foco do tema, estrutura geral).

Compartilhar e argumentar seria o passo posterior para compreender os textos, não só para situar as novas informações e ser capazes de relacioná-las com o que já se sabe, como para formar cidadãos críticos.

Como funcionam as coisas/estudio Como funcionam as coisas/estudio
O espaço de trabalho de David Macauley

Os leitores do futuro – aqueles que estamos preparando hoje – precisam da nossa ajuda para desenvolver-se no mundo onde os textos circulam de maneira desordenada e fragmentada. Devemos ajudá-los a passar de “leitores-pescadores”, que, com calma, olham a água do rio passar enquanto esperam que o peixe pule no anzol, a “leitores-caçadores”, que vão em busca do que necessitam ou lhes interessa, que sabem usar seus próprio critérios para localizar, não uma obra completa, senão possíveis fragmentos daquilo de que precisam. É um desafio para o qual o fornecimento de livros informativos atuais pode nos ajudar: por sua variedade e por sua qualidade. Não podemos deixar passar essa ocasião para ampliarmos também nossa forma de ler e de olhar os livros. A evasão que nos proporciona a literatura é tanto ou mais importante que a reflexão e a construção do conhecimento com os quais nos brindam os livros informativos.


*Texto publicado no blog de Ana Garralón em 21 de maio de 2012. As ilustrações foram extraídas da edição espanhola do livro Cómo funcionam las cosas, de David Macaulay, lamentavelmente esgotado. A edição brasileira da Editora Globo de 1996 também está esgotada.


TRADUÇÃO: THAIS ALBIERI